Biografia

O que é um médium?

Segundo Allan Kardec em “O livro dos médiuns” (1861):

“Toda pessoa que sente a influência dos Espíritos, em qualquer grau de intensidade, é médium. Essa faculdade é inerente ao homem. Por isso mesmo, não constitui privilégio e são raras as pessoas que não a possuem pelo menos em estado rudimentar. Pode-se dizer, pois, que todos são mais ou menos médiuns. Usualmente, porém, essa qualificação se aplica somente aos que possuem uma faculdade mediúnica bem caracterizada, que se traduz por efeitos patentes de certa intensidade, o que depende de uma organização mais ou menos sensitiva.

Deve-se notar, ainda, que, essa faculdade não se revela em todos da mesma maneira. Os médiuns têm, geralmente, aptidão especial para esta ou aquela ordem de fenômenos, o que os divide em tantas variedades quantas são as espécies de manifestações. As principais são: médiuns de efeitos físicos, médiuns sensitivos ou impressionáveis, auditivos, falantes, videntes, sonâmbulos, curadores, pneumatógrafos, escreventes ou psicógrafos.”

História do médium

João de Deus é um homem nascido em família simples, que tem problemas como qualquer homem comum. Tem defeitos, limitações e é capaz de errar e sofrer como qualquer outro ser humano. Segundo o médium, se fosse perfeito, não estaria nessa missão na Terra.

João Teixeira de Faria nasceu no vilarejo de Cachoeira da Fumaça, no estado de Goiás, em 24 de junho de 1942, sendo o mais novo de seis filhos.

Morando em Itapaçi, também no estado de Goiás, estudou até o equivalente ao segundo ano do Ensino Fundamental e abandonou os estudos devido à necessidade de trabalhar para ajudar no sustento da família. O médium nunca concluiu seus estudos, não sabendo ler nem escrever até hoje.

A primeira manifestação mediúnica de que se recorda ocorreu quando tinha nove anos de idade, enquanto visitava familiares na cidade de Nova Ponte – GO com sua mãe. Em um dia ensolarado, João teve uma premonição de que uma grande tempestade se aproximava, e começou a apontar casas (incluindo a casa de seu irmão) e a dizer que aquelas casas cairiam ou seriam destelhadas. Puxou sua mãe pelo braço para que partissem antes do temporal. Apesar de não estar convencida, a mãe de João abrigou-se com ele na casa de alguns amigos. Exatamente como ele havia previsto, a tempestade destruiu cerca de quarenta casas da pequena cidade.

O trabalho era escasso em Itapaçi e João precisou partir em busca de emprego. Após passar por algumas cidades, o médium encontrava-se em Campo Grande – MT ainda desempregado, cansado e com fome. Procurou, então, abrigo embaixo de uma ponte, planejando banhar-se no rio antes de seguir sua busca. Ao se aproximar do rio, uma mulher o chamou, convidando-o a aproximar-se. Conversaram a tarde inteira. Após algum tempo, o médium descobriu que a mulher era o espírito de Santa Rita de Cássia.

Na manhã seguinte, João voltou ao rio para conversar novamente com a mulher, porém, encontrou somente uma luz e ouviu sua voz chamando pelo seu nome. Ela disse a ele que fosse ao Centro Espírita Cristo Redentor.

Ao chegar ao Centro Espírita, o diretor se aproximou e perguntou se seu nome era “João Teixeira de Faria” e disse que eles o estavam esperando. Naquele momento o médium desmaiou, recobrando a consciência horas depois. Havia um grande grupo de pessoas o cercando e uma pessoa o explicou que ele havia incorporado a Entidade Rei Salomão e curado cerca de cinqüenta pessoas.

Mesmo confuso, João de Deus aceitou o convite para passar a noite na casa do diretor do Centro Espírita e retornar no dia seguinte para os trabalhos, explicando que não era um médium praticante e não tinha conhecimentos médicos nem sobre o mundo espiritual.

Nos meses seguintes, o médium João dedicou sua vida à cura. Sua primeira experiência mediúnica ocorreu aos dezesseis anos de idade.

Durante os anos subseqüentes, João foi perseguido e acusado por prática ilegal da medicina. No período da ditadura militar, foi para Brasília trabalhar como alfaiate para o exército. Lá, exerceu trabalhos de cura e ganhou a proteção dos militares.

João de Deus trabalhou, dentre outras coisas, como alfaiate, minerador e também numa olaria. Hoje mora em Anápolis – GO, cidade que se localiza a 40 km de Abadiânia, onde em 1976 fundou a Casa Dom Inácio de Loyola.

Mensagem de Estímulo

“Sou apenas um homem;

Há mais de trinta e cinco anos instalei a Casa de Dom Inácio neste solo sagrado de Abadiânia, esta terra bendita, onde Deus me colocou para cumprir minha missão.

Eu não curo ninguém. Quem cura é Deus, que, em sua infinita bondade, permite as Entidades (bons espíritos) que me assistem proporcionar cura e consolo aos meus irmãos, ao passo que sou apenas um instrumento em suas divinas mãos.

Fui garimpeiro e sei que a pedra preciosa, para mostrar sua beleza, precisa sofrer o desgaste da lapidação, sendo que, antes de polida, quem não conhece não lhe dá valor algum.

Cada filho é um diamante raro da criação, mas que necessita ser polido implicando em dores e sofrimento, para realizar sua superior destinação.

O mundo passa por grandes transformações, gerando consequentemente grandes sofrimentos, porém a nossa força e sustentação residem na confiança naquele Ser Supremo, que é nosso Deus.

E, para finalizar, levo como mensagem as palavras de Cristo no Evangelho de João (cap. 15, vs. 12): ‘O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei’.”

Médium João Teixeira de Faria